terça-feira, 21 de setembro de 2010

Aferição Pressão Arterial


Pressão Arterial

Os vasos sanguíneos possuem uma pressão no seu interior, sendo este resultado dos batimentos do coração e a contração da parede destes vasos durante a passagem do sangue. O batimento cardíaco é a propulsão de certo volume de sangue através da aorta, realizando a contração de suas paredes empurrando o sangue para frente e o levando a todas as partes do corpo.

Medir, verificar e aferir são termos semelhantes, e todos indicam que se está realizando um exame capaz de mensurar os valores da pressão arterial de um paciente

A aferição da pressão arterial nos permite direcionar condutas terapêuticas individuais, monitorar prevalências populacionais e identificar fatores de risco associados à hipertensão arterial e acurácia deste procedimento tem valor fundamental.
Pela sua importância, deve ser estimulada e realizada, em toda avaliação de saúde, por médicos de todas as especialidades e demais profissionais da área de saúde desde que treinados.

A posição recomendada para verificação da pressão arterial é a sentada. Porem recomenda-se uma aferição na posição ortostática pelo menos na primeira avaliação.

Métodos de Aferição Não invasivo.

Método auscultatório ou palpatório com o uso do esfigmomanômetro aneróide ou coluna de mercurio

Aparelho automático oscilométrico que consiste na utilização de aparelhos automáticos e semi-automaticos para aferição dos níveis pressóricos.

Monitorização ambulatorial de pressão arterial (MAPA) permite o registro da pressão arterial por método indireto e intermitente durante 24 horas enquanto o paciente realiza suas atividades habituais na vigília e durante o sono.

Monitorização residencial de pressão arterial (MRPA) é o registro da pressão arterial por método indireto com três medidas pela manha e três a noite durante 45 dias, durante a vigília no domicilio e no trabalho com aparelhos validados.

O Tamanho do Manguito.

O tamanho do manguito é de grade importância para garantir a acurácea das medidas da pressão arterial. Estes devem ser escolhidos de acordo com a faixa etária e os locais de medição da pressão arterial. O uso incorreto pode acarretar em aferições errôneas.
A largura da borracha deve ser de 40% da circunferência do braço e seu comprimento envolver pelo menos 80%.


O local para vefiricação

O local mais comum de verificação da pressão arterial é no braço, usando como ponto de ausculta a artéria braquial. O equipamento usado é o esfigmomanômetro ou tensiômetro, vulgarmente chamado de manguito, e para auscultar os batimentos, usa-se o estetoscópio.
Os sons encontrados

Os sons auscultados durante a aferição são denominados de ruídos de Korotkoff. Podemos classificados em 5 tipos.
I ou K1 - Som súbito, forte, bem definido, que aumenta em intensidade
II ou K2 - Os segundos sons são os murmullos ouvidos na maior parte do espaço
III ou K3 - Desaparecimento dos sons soprosos e surgimento de sons mais nítidos e intensos (semelhantes ao da fase I), que aumentam em intensidade.
IV ou K4 - Os sons tornam-se abruptamente mais suaves e abafados, são menos claros
V ou K5 - Desaparecimento completo dos sons

Os dados obtidos - Numeros

Os números encontrados durante a aferição indicam uma medida de pressão calibrada em milímetros de mercúrio (mmHg). O primeiro número, ou o de maior valor, é chamado de sistólico, e corresponde à pressão da artéria no momento em que o sangue foi bombeado pelo coração. O segundo número, ou o de menor valor é chamado de diastólico, e corresponde à pressão na mesma artéria, no momento em que o coração está relaxado após uma contração.

Media dos valores encontrados nem adultos

Classificação PAS PAD

Normal <120>
Pre Hipertensão 120-139 80-89
Hipertensão Fase I 140-159 90-99
Hipertensão Fase II >160 >100

Média dos valores encontrados em crianças.

Idade Média de Valores PAS/PAD

0-3 meses 75/5o
3-6 meses 85/65
6 -9 meses 85/65
9-12 meses 90/70
1 - 3 anos 90/65
3-5 anos 95/60
5 -7 anos 95/60
7-9 anos 95/60
9-11 anos 100/60
11-13 anos 105/65
13-14 anos 110/70

Tecnica de Medição da Pressão Arterial

1. Explicar o procedimento ao paciente, orientando que não fale e descanse por 5-10 minutos em ambiente calmo, com temperatura agradável. Promover relaxamento, para atenuar o efeito do avental branco (elevação da pressão arterial pela tensão provocada pela simples presença do profissional de saúde, particularmente do médico).
2. Certificar-se de que o paciente não está com a bexiga cheia; não praticou exercícios físicos há 60-90 minutos; não ingeriu bebidas alcoólicas, café, alimentos, ou fumou até 30 minutos antes; e não está com as pernas cruzadas.
3. Utilizar manguito de tamanho adequado ao braço do paciente, cerca de 2 a 3 cm acima da fossa antecubital, centralizando a bolsa de borracha sobre a artéria braquial. A largura da bolsa de borracha deve corresponder a 40% da circunferência do braço e o seu comprimento, envolver pelo menos 80%.
4. Manter o braço do paciente na altura do coração, livre de roupas, com a palma da mão voltada para cima e cotovelo ligeiramente fletido.
5. Posicionar os olhos no mesmo nível da coluna de mercúrio ou do mostrador do manômetro aneróide.
6. Palpar o pulso radial e inflar o manguito até seu desaparecimento, para a estimativa do nível a pressão sistólica; desinflar rapidamente e aguardas um minuto antes de inflar novamente.
7. Posicionar a campânula do estetoscópio suavemente sobre a artéria braquial, na fossa antecubital, evitando compressão excessiva.
8. Inflar rapidamente, de 10 em 10 mmHg, até ultrapassar, de 20 a 30 mmHg, o nível estimado da pressão sistólica. Proceder a deflação, com velocidade constante inicial de 2 a 4 mmHg por segundo. Após identificação do som que determinou a pressão sistólica, aumentar a velocidade para 5 a 6 mmHg para evitar congestão venosa e desconforto para o paciente.
9. Determinar a pressão sistólica no momento do aparecimento do primeiro som (fase I de Korotkoff), seguido de batidas regulares que se intensificam com o aumento da velocidade de deflação. Determinar a pressão diastólica no desaparecimento do som (fase V de Korotkoff). Auscultar cerca de 20 a 30mmHg abaixo do último som para confirmar seu desaparecimento e depois proceder à deflação rápida e completa. Quando os batimentos persistirem até o nível zero, determinar a pressão diastólica no abafamento dos sons (fase IV de Korotkoff).
10. Registrar os valores das pressões sistólicas e diastólica, complementando com a posição do paciente, o tamanho do manguito e o braço em que foi feita a medida. Não arredondar os valores de pressão arterial para dígitos terminados em zero ou cinco.
11. Esperar 1 a 2 minutos antes de realizar novas medidas.
12. O paciente deve ser informado sobre os valores obtidos da pressão arterial e a possível necessidade de acompanhamento.

Principais problemas e erros verificados durante o procedimento:

Manômetro de coluna mercúrio
* menisco abaixo do ponto zero
- acrescentar mercúrio no reservatório
* oscilação excessiva da coluna ou dificuldade de subida na inflação
- limpar ou trocar o diafragma no topo da coluna de mercúrio


Manômetro aneróide
* descalibração não é aparente
- testar calibração (pelo menos de 6 em 6 meses), contra coluna de mercúrio, usando conector em Y

Tubos de borracha, pera e válvula de exaustão
* vazamento nos tubos de borracha e válvulas
- trocar tubos de borracha e válvulas

Bolsa de borracha
* bolsa de borracha muito estreita causa falsa elevação na pressão e muito larga, falsa diminuição da pressão
- usar manguito adequado ao braço do paciente ou tabelas/fitas de correção
* relação inadequada entre a largura e o comprimento da bolsa de borracha
- a relação entre o comprimento/largura da bolsa deve ser 2 : 1
* manguito não centralizado na artéria braquial, eleva a pressão arterial
- colocar a porção central da bolsa sobre a artéria braquial

Manguito
* manguito aplicado sobre as roupas, falseia os valores
- manter o braço desprovido de roupas

Estetoscópio
* tubos excessivamente longos dificultam a ausculta
- empregar tubos mais curtos
* mal adaptado aos ouvidos, dificulta a asculta
- manter a curvatura voltada para a frente do observador

Observador
* não alinhamento dos olhos do observador com a escala do manômetro pode causar leituras errôneas
- manter os olhos à altura do menisco do menisco da coluna de mercúrio e, no manômetro aneróide, incidi-los diretamente sobre o mostrador
* preferência por números terminados em “0” ou “5”
- proceder a leitura do manômetro acuradamente a cada 2 mmHg, evitando arredondamentos
* rechecagem da pressão sistólica antes da deflação total do manguito
- para verificar novamente a pressão sistólica, desinflar totalmente o sistema, aguardando 1 a 2 minutos antes de reiniciar a medida da pressão arterial
* mãos do observador,equipamentos e ambiente excessivamente frios, elevam a pressão arterial
- manter material e equipamentos, ambiente e mãos em temperatura agradável
* interação inadequada entre o observador e o paciente podem elevar a pressão arterial
- procurar afastar a tensão e ansiedade, estabelecendo relação de confiança com o paciente. Evitar conversar durante a medida da pressão arterial

Paciente
* ingestão recente de bebida alcoólica, café, fumo e distensão vesical, interferem na medida
- evitar uso de bebida alcoólica, café, refeições e fumo, pelo menos 30 minutos antes da medida. Certificar-se de que o paciente está com a bexiga vazia
* exercícios físicos antes da medida da pressão arterial podem elevá-la
- descanso prévio em ambiente calmo, por pelo menos 5 a 10 minutos, promovem o relaxamento do paciente

Procedimento de medida da pressão arterial
* não estimação do nível de pressão sistólica
- palpar o pulso radial; inflar o sistema até o desaparecimento do pulso para estimar a sistólica
* inflação excessiva do sistema provoca dor e eleva a pressão arterial.
- inflar apenas 20 a 30 mmHg acima da pressão sistólica estimada
* deflação muito rápida, diminui a sistólica e aumenta a diastólica e, quando muito lenta, aumenta a pressão
- manter velocidade de deflação de 2 a 4 mmHg/seg até ultrapassar a sistólica, em seguida, aumentar gradativamente
* dificuldade na ausculta dos sons de Korotkoff
- inflar o manguito, estando o braço do paciente acima da altura da cabeça por 30 segundos. Em seguida, colocar o braço na posição correta e medir a pressão arterial
* determinação incorreta da pressão sistólica
- a pressão sistólica deve ser registrada de acordo com a fase 1 de Korotkoff (início do som)
* determinação incorreta da pressão diastólica
- a pressão diastólica será determinada com o desaparecimento do som (fase 5 de Korotkoff)

9 comentários:

  1. Olá, blogueiro(a)!

    Através do programa Saúde Não Tem Preço, agora os brasileiros passam a ter acesso gratuito aos medicamentos para controle da diabetes e hipertensão.
    Seja nosso parceiro e utilize seu espaço para divulgar esta novidade. Se tiver interesse em colocar algum material da campanha em seu blog, entre em contato com comunicacao@saude.gov.br

    Para saber mais sobre a campanha, acesse: www.saudenaotempreco.com
    Você também pode nos seguir no Twitter: www.twitter.com/minsaude
    Obrigado,
    Ministério da Saúde

    ResponderExcluir
  2. oi td bem meu nome é aline...qria saber de uma coisa..tds os trabalhos so P.A. falam q devemos aferir com a bexiga vazia falam so isso mais nao dizem o motivo de se com a bexiga vazia, vc poderia me explicar por que??

    ResponderExcluir
  3. A bexiga cheia comprime a artéria abdominal, que exige maior esforço cardíaco e conquentemente o aumento da P. A.

    ResponderExcluir
  4. Oi gostara de saber quais os locais que posso verificar a P.A de um paciente? só pode ser no braço?

    ResponderExcluir
  5. Obrigada a senhora pelo ótimo estudo,que me ajudou muito;que Deus te recompense com bençãos inefáveis.

    ResponderExcluir
  6. Pode ser na perna tmb a VSV

    ResponderExcluir
  7. Gostaria de saber se pessoas que verificam sua PA todos os dias, às vezes mais de uma vez no dias podem sofrer alguma consequencia?

    ResponderExcluir
  8. Olá! caso não tenha o manguito de tamanho ideal, qual o porquê de ter que usar um maior?

    ResponderExcluir
  9. Olá! caso não tenha o manguito de tamanho ideal, qual o porquê de ter que usar um maior?

    ResponderExcluir